Niterói, Sexta | 18-04-2014
O Hospital
do Coração de Niterói

Hospital Coração Cardilogia

Há 33 anos cuidando
da saúde e do bem-estar
de toda a família.
Desde 1978, o Centrocardio tem como missão prestar serviços de excelência na prevenção e restauração da sua saúde.
Sempre inovando em tecnologia e investindo na especialização de nossos profissionais a fim de garantir uma maior qualidade de vida, para você e sua família.
HISTÓRICO DO CENTROCARDIO
Hospital de Cardiologia para atender Niterói

Unidos por um ideal

Inaugurado no dia 1º de maio de 1978, a história do Centrocardio se inicia a partir do casamento de sonhos de nove cardiologistas, alguns já com suas carreiras profissionais consolidadas e respeitados pela comunidade científica, outros recém-formados, mas cheios de idéias e disposição para contribuir para o avanço da cardiologia em Niterói. Unidos pelo mesmo ideal, decidiram se reunir para montar uma clínica que pudesse atender à população de Icaraí, Santa Rosa e outros bairros vizinhos. Em comum, tinham a certeza da necessidade de criação de um novo espaço que pudesse atender uma demanda crescente de clientes com quadro de doenças cardio-vasculares, como recorda Dr. Luiz Augusto de Freitas Pinheiro, um dos sócios fundadores do Centrocardio.

"Começamos a nos reunir em 1977, um grupo de nove pessoas: eu, José Antonio Abi Ramia, Sergio Roberto da Silva Ouriques, Rubens Pimenta Punaro Baratta, Cenesio César Henrique Viana, João da Matta Silvares Correa, Jorge José Abunahman, Romero Perez e Luiz Eduardo Nacif. Dessas reuniões, então, concretizou-se a sociedade. O nome inicial seria Centrocor, mas já havia uma clínica com esse nome e, assim, adotamos Centrocardio", lembra Luiz Augusto.

A primeira sede do Centrocardio funcionou numa casa alugada na Rua João Pessoa, que passou por várias adaptações, segundo lembra Dr. João da Matta, “Dr. Romero Perez, pelo seu gosto por obras e reformas, foi, dos sócios, quem mais atuou nas adaptações”, afirmou.

"Na época em que montamos a sociedade, ninguém tinha dinheiro, de tal forma que nosso capital inicial foi muito pequeno. Tivemos que economizar bastante. Nossos móveis eram bastante modestos. As camas foram feitas numa pequena fábrica em São Gonçalo, que eu e José Antonio descobrimos. No início, os eletrocardiógrafos eram levados pelos próprios sócios", completa Luiz Augusto.

Inaugura o Hospital do Coração de Niterói

A inauguração

Segundo Dr. Jorge José Abunahman coube-lhe a honra de inaugurar o Centrocardio, uma vez escalado para o primeiro plantão, no Dia do Trabalho. (N.R.: depoimentos de outros sócios, registram que o Drs. José Antonio Abi Ramia e Rubens Baratta também trabalharam de plantão no primeiro dia de funcionamento do Centrocardio). Ele revela, contudo, que uma emergência o fez "inaugurar extra-oficialmente" o Centrocardio, dias antes da abertura oficial.

"O Centrocardio foi aberto para atendimento ao público no dia 1º de maio de 1978, e eu estava de plantão. Eu tenho essa honra. Além disso, quem inaugurou o Centrocardio fui eu, antes mesmo da data oficial. Naquela época estávamos aguardando a liberação para o funcionamento, quando, num belo dia, uma paciente minha passou mal num domingo. E eu não podia levá-la para lugar nenhum. O Centrocardio já estava montado e trancado e eu tinha a chave. Então, entrei, atendi a paciente, prescrevi a medicação e saímos. Por isso, posso me considerar o inaugurador do Centrocardio. Isso aconteceu cerca de uma semana antes do dia 1º de maio, no final de abril", recorda Dr. Abunahman.

Hospital de Cardiologia para atender Niterói

A mudança de sede

A mudança da sede do Centrocardio, da Rua João Pessoa para a Rua Domingues de Sá, aconteceu em 1981, cerca de três anos após sua inauguração. Dois fatores determinaram o processo: a necessidade do Centrocardio buscar um espaço maior onde pudesse atender uma demanda de clientes cada vez mais crescente, aliada à decisão do Dr. Célio Nunes Pinheiro, diretor proprietário da clínica cardiológica Urgencor, de negociá-la com o Centrocardio.

Para o Dr. José Antonio Abi Ramia a seriedade do trabalho dos sócios foi fundamental para que Dr. Célio concordasse em vender a Urgencor para o Centrocardio.

"Ele só concordou em vender a Urgencor porque era para o nosso grupo. Para qualquer outro ele não venderia. Isso porque o Dr. Célio tinha o mesmo sonho que a gente, que era o de montar uma clínica cardiológica que se tornasse referência na cidade. Apesar de já conhecê-lo, quem deu o pontapé inicial para as negociações foi o Dr. Cenésio Viana", lembra Dr. Abi Ramia.

A mudança para uma sede maior foi apenas uma questão de tempo, conforme destaca Dr. Rubens Baratta, lembrando que a partir da mudança, o Centrocardio começou a contratar novos médicos para atuarem no plantão.

"Quando nos mudamos para a atual sede, alguns médicos que atuavam na Urgencor, não quiseram continuar. Chegamos a contratar alguns médicos que já estavam aqui, depois fomos preenchendo com outros. Nessa ocasião o Centrocardio já estava ficando conhecido. Com a vinda para a nova sede, reunimos a nossa clientela com a da Urgencor, que também já funcionava há algum tempo e já havia conquistado seus clientes. Nós mantivemos os dois nomes, Centrocardio e Urgencor, durante algum tempo", recorda.

Hospital Centrocardio e os novos metodos de trabalho

Novos métodos de trabalho

Dr. Sergio Ouriques concorda, destacando que, a partir da mudança, o Centrocardio também iniciou o trabalho de aperfeiçoamento dos serviços e pessoal. “Nesta segunda fase os sócios passaram a atuar mais na implantação de novos métodos de trabalho, sempre procurando manter o serviço atualizado com todas as novas técnicas da cardiologia moderna, participando do conselho de administração e atendendo seus clientes. Faz parte, ainda deste processo a preparação de mão de obra especializada, através de cursos de formação e especialização, ministrados a todos os funcionários, visando atingir o padrão de excelência em atendimento”, frisou.

Se na primeira sede Dr. Romero Perez era conhecido como o “faz tudo” na clínica, desde a iniciativa de consertar uma instalação elétrica ao conserto de um defeito mecânico ou pintura na primeira ambulância, na mudança para a Rua Domingues de Sá, o Dr. Abi Ramia, acabou assumindo, de certa forma esse papel.

Dr. Abi Ramia lembra como conseguiu convencer alguns sócios, que ainda estavam reticentes, sobre a viabilidade da compra do elevador para o novo prédio. "Como éramos vários sócios, tínhamos dificuldades de concretizar as coisas. No prédio, existiam duas escadas, sendo uma de madeira, e discutíamos a viabilidade financeira de colocar um elevador. Então, num carnaval, consegui três funcionários e retirei a escada de madeira. Depois, argumentei: ‘Agora não tem mais jeito, temos que comprar um elevador’. Assim, conseguimos convencer os que ainda relutavam com a idéia", confessou.

Além do elevador, outra obra que sugerimos foi a do atual auditório, em cima do telhado. Foi construído um auditório para 40 lugares. Como eu sabia que 20% da população era formada por canhotos, nos preocupamos em comprar um número de carteiras para canhotos. Adquirimos, ainda, um quadro de vidro com projeção de luz, em que a tinta era apagada com álcool, pois eliminamos o giz. O auditório foi projetado com teto termoacústico, todo forrado em carpete, que até hoje nos atende. Trouxemos, também, um púlpito para homenagear o Dr. Luiz Augusto”, recorda Dr. Abi Ramia, acrescentando que, também nesta fase, foi criado o Boletim do Coração.

Hospital Centrocardio planeja seu crescimento

Largada para o crescimento

Dr. Cenesio César Henrique Viana considera que a mudança da sede do Hospital do Coração de Niterói, da Rua João Pessoa para a Rua Domingues de Sá, determinou a largada para o crescimento e desenvolvimento do Centrocardio. Dr. Cenesio destaca três pontos na mudança para a sede atual.

"O primeiro foi a alteração no número de sócios, que diminuiu de nove para seis. O segundo ponto foi a adequação às novas instalações. Finalmente, tivemos que contratar outros profissionais médicos, mudando a relação que tínhamos de todos sócios, diretores e funcionários do Centrocardio. Isso tudo gerou um fruto muito importante: o espírito de crescimento".

Hospital Centrocardio tem nova sociedade

Novos sócios

Em 1980, Dr. Jorge José Abunahman decidiu seguir novos caminhos profissionais, optando pela venda de sua cota na sociedade. Nesta época, Dr. Romero Perez e Dr. Luiz Eduardo Nacif já haviam se desligado da sociedade e a cota do Dr. Abunahman foi adquirida pelo Dr. Antonio Paulo Coelho, em parceria com Dr. Jorge Mendonça. Anos depois, Dr. Antonio Paulo Coelho faleceu, vítima de atropelamento. Os sócios decidiram, então, homenageá-lo, dando o seu nome ao auditório do Centrocardio, por ter, mesmo em tão pouco tempo, contribuído para que o Hospital do Coração de Niterói continuasse seu caminho de desenvolvimento.

Em 1980, Dr. Jorge José Abunahman decidiu seguir novos caminhos profissionais, optando pela venda de sua cota na sociedade. Nesta época, Dr. Romero Perez e Dr. Luiz Eduardo Nacif já haviam se desligado da sociedade e a cota do Dr. Abunahman foi adquirida pelo Dr. Antonio Paulo Coelho, em parceria com Dr. Jorge Mendonça. Anos depois, Dr. Antonio Paulo Coelho faleceu, vítima de atropelamento. Os sócios decidiram, então, homenageá-lo, dando o seu nome ao auditório do Centrocardio, por ter, mesmo em tão pouco tempo, contribuído para que o Hospital do Coração de Niterói continuasse seu caminho de desenvolvimento.

O crescimento do Centrocardio não parou. A demanda, cada vez maior, exigiu da equipe o esforço de buscar soluções para ampliar a capacidade de atendimento e o grau de exigência dos clientes.

"Esse crescimento continuou numa demanda de exigências tecnológicas, de instalações, chegando a um ponto em que concluímos que o nosso CTI se tornara pequeno para atender a demanda. Tínhamos problemas de espaço. Buscamos soluções quase que numa costura num tabuleiro de xadrez. Iniciamos um processo de obras no estacionamento, num constante deslocamento de setores até alcançarmos o estágio atual. Hoje, oferecemos aos nossos clientes um andar térreo todo reformado e reformulado, com padrões de requintes, atendendo a modernização atual, com fluxo ambiental inteligente. Expandimos nossa recepção e colocamos à disposição um CTI com oito leitos, dotados de aparelhagem com toda tecnologia de última geração, precedido de uma emergência cardiológica, também altamente qualificada. Além disso, podemos nos orgulhar do Centrocardio se um dos poucos hospitais de Niterói a realizar o exame ecotransesofágico", destaca.

Hospital Centrocardio Cardiologia avançada

Cirurgia cardíaca, vascular e hemodinâmica

A partir de 2005 o Centrocardio ampliou sua prestação de serviços, com a agregação de Hemodinâmica e Cardiologia Invasiva, Cirurgia Cardíaca e Vascular e Unidade Cardiointensiva de Apoio.

Hoje o Hospital do Coração de Niterói pode se orgulhar de prestar um atendimento cardiovascular integral, desde a abordagem inicial do paciente até os mais sofisticados procedimentos propedêuticos e terapêuticos.

Para Cenesio, o crescimento do Hospital do Coração de Niterói é irreversível, fruto do trabalho de toda uma equipe que apostou no seu sucesso.

"Hoje vemos o Centrocardio como um sonho realizado, onde temos um nome respeitado e consolidado, dentro da comunidade médica e leiga, como um Centro Cardiológico de ponta, com todos os direitos de prosseguirmos com nossos planos expansionistas. Já atuamos com uma filial no Centro Médico Niterói Shopping e, desde 1º de fevereiro, iniciamos o trabalho numa segunda filial, em São Gonçalo. Nosso limite é a nossa disposição de trabalharmos, muito, para alcançarmos todos os nossos objetivos. E os resultados que já alcançamos até aqui, comprovam que estamos no caminho certo", afirmou Dr. Cenesio.


 

Missão do CentroCardio

Buscar de forma ética e incessante, prestar serviços de excelência na prevenção,
promoção e restauração da saúde gerando qualidade de vida à comunidade bem
como aos colaboradores.